ESTUDOS BIBLICOS







Web Radio Gospel Da Covilha - ((( Portugal))) Sua Amiga De Todos As Horas



terça-feira, maio 18, 2010

FLECHA POLIDA NA ALJAVA DE DEUS

Fez a minha boca como uma espada aguda, na sombra da sua mão me escondeu;
fez-me como uma flecha polida, e me guardou na sua aljava,
(Is 49:2)


A expressão flecha polida consta no livro do profeta Isaías, numa de suas profecias que descrevem a obra do Messias:

“(O Senhor) fez a minha boca como uma espada aguda, na sombra da sua mão me escondeu;

fez-me como uma flecha polida, e me guardou na sua aljava.” (Is 49:2).

Deus tinha um alvo a ser alcançado pelo Filho: oferecer restauração aos descendentes de Jacó

e ser fonte de salvação para todas as nações, até a extremidade da Terra (v. 6).

Jesus, como uma flecha perfeitamente preparada, cumpriu perfeitamente este propósito.

A obra de Jesus Cristo em nossas vidas é detalhada em Isaías 49: Ele é o mediador da nossa aliança com o Pai

Diz ainda o SENHOR: No tempo aceitável, eu te ouvi e te socorri no dia da salvação; guardar-te-ei e te farei mediador da aliança do povo,

para restaurares a terra e lhe repartires as herdades assoladas;(v. 8),

Ele nos libertou da prisão e nos tirou das trevas ,(para dizeres aos presos: Saí, e aos que estão em trevas: Aparecei. Eles pastarão nos caminhos e em todos os altos desnudos terão o seu pasto.(v. 9),

Ele nos trouxe para um manancial de águas (Não terão fome nem sede, a calma nem o sol os afligirá; porque o que deles se compadece os guiará e os conduzirá aos mananciais das águas.(v. 10).

Aleluia! Louvado seja o Senhor por sua obra em nós.

Você também deve ser como uma flecha polida!

Todo arqueiro sabe que a flecha precisa ser tratada minuciosamente antes de ser usada para atingir determinado objetivo.

Você precisa abrir-se à obra do Espírito Santo que, através da Palavra e do Seu poder, dará o tratamento necessário.

Este “polimento” consiste na implementação do caráter de Cristo em sua vida.

O Salmo 127:5 e 6 nos auxilia a entender isto: “Como flechas na mão do guerreiro, assim são os filhos da mocidade.

Feliz o homem que enche deles a sua aljava; não será envergonhado quando pleitear com os inimigos à porta”.

Você é um dos filhos que o Senhor gerou, uma das flechas da aljava do Pai! Se você é uma flecha polida,

o Pai não será envergonhado por seus inimigos.

O Pai não se envergonha dos filhos que se parecem com Jesus Cristo.

É isto que a Epístola aos Hebreus declara: “Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus” (Hb 11:16).

Disponha-se a ser tratado pelo Senhor. Rogue a Ele por este tratamento!

Suplique ao Espírito Santo que lhe ajude a ser uma flecha polida da aljava de Deus.

Ele há de usar sua vida para atingir alvos gloriosos para o nome do nosso Senhor.

segunda-feira, maio 17, 2010

*** Um Celeiro De Felicidade***

Deus é amor; e quem permanece em amor, permanece em Deus, e Deus nele.

(1 João. 4:16)

Sempre que eu tenho a oportunidade de amar a Deus em obediência pessoal, eu acabo sentindo um regozijo maior em meu coração em relação a Ele e um desejo ardente de
obedecê-lo ainda mais da próxima vez.

A obediência não é um fim, mas um meio, uma maneira de expressar o nosso amor a Deus e uma forma de aumentar o nosso amor por Deus.

É um catalisador no processo de amar a Deus e tornar-se cada vez mais parecido com Jesus. (Martha Thatcher - a Liberdade da Obediência)

O que é obedecer a Deus senão uma demonstração de amor e gratidão por tudo que Ele já fez e continua fazendo por todos nós?

Se o amamos, obedecemos.

Se obedecermos, nós O amamos.

Não existe amor sem obediência e nem obediência sem um grande amor por tudo que o Senhor é para nós.

Se Ele nos diz que devemos amar ao próximo e até aos inimigos, devemos demonstrar todo o nosso amor.

E quanto mais externamos o nosso amor, mais desejo de amar nos invade a alma.

O amor gera amor e o cultivo do amor nos proporciona a satisfação de ver, a cada dia, mais e mais frutos de amor nascendo para nos encher de amor.

Se Ele nos diz que devemos servir a todos, trabalhamos o nosso coração nesse sentido e a satisfação nos impulsiona a estar sempre à disposição de nosso semelhante.

Descobrimos, no ato de servir, o prazer de ver o Senhor agindo em nós e através de nós.

Jesus não veio para ser servido e sim para servir.

Ele é o nosso exemplo e queremos imitá-lo em Suas atitudes.

Se eu sou um cristão, devo ser um discípulo de Cristo.

Se Ele nos manda amar e servir, devo obedecê-lo.

E se o obedeço, O amo ainda mais.

Seu amor por mim, que o obedeço, torna-se cada vez maior e o meu amor por Ele, cresce à
medida que o amo em obediência.

Ele é o meu Senhor e busco engrandecê-lo sempre.

E tudo o que faço me enche de grande alegria o coração e a minha vida se torna um celeiro de felicidade.

AGORA É A HORA!


Eis agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação.
(2 Corintios. 6:2)


- Quando devo me preparar para a eternidade? Perguntou um jovem ao seu professor cristão.

- Apenas uma hora antes da morte - foi à resposta que recebeu do professor.

Embora surpreso com a resposta, o jovem pensou consigo: Ótimo! Assim posso gozar a vida sem me preocupar, fazendo tudo aquilo que desejar.

Então, quando estiver a alguns minutos da morte, rogarei a Deus que tenha misericórdia de mim.

- Mas... Quando é que você vai morrer? Perguntou o professor, interrompendo os pensamentos do rapaz.

- Não sei... - respondeu o jovem demonstrando certa preocupação.

- Então, - disse o professor - a hora é agora, pois pode ser que lhe restem apenas alguns minutos de vida!

Será que você também é daqueles que acreditam que podem se preparar para a eternidade na última hora?

Há muitos que pensam assim e continuam a viver fazendo a vontade da carne e dos pensamentos, permanecendo debaixo do pecado e, portanto inimigos de Deus.

Mas Deus, nosso Senhor, deseja que todos os homens sejam salvos, muito embora, sendo justo, Ele terá que condenar todos os homens ímpios, por todas as suas obras de impiedade, se estes não se arrependerem de seus pecados.

Ao pecador perdido resta apenas uma certa expectação horrível de juízo e fogo consumidor prestes a destruir os adversários.

Sendo algo tão solene, a questão de nosso destino eterno, que nunca deveria ser deixada para a última hora.

Deus quer salvá-lo; e é somente pelas riquezas de Sua benignidade, paciência e longanimidade, que você ainda se encontra neste mundo, lendo esta mensagem que pode ser seu último aviso.

O interesse que Deus tem na sua salvação ficou evidente quando enviou Seu Filho Jesus ao mundo para "salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus" (Hebreus 7:25).

"Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o Justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus" (1 Pedro 3:18).

Para Deus, a salvação do pecador teve um preço altíssimo: A morte de Seu amado Filho na cruz do calvário.

Será que você dá a mesma importância à sua própria salvação, ou a considera como algo que pode ser deixado para depois?

Talvez então não haja mais tempo... Por isso "Deus anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam, porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-O dos mortos" (Atos 17:30-31).

Talvez você esteja entre os que se preocupam com o destino eterno e deseja ser salvo algum dia, mas fica esperando pela hora que Deus quiser.

Somente Deus sabe qual a melhor hora para uma pessoa ser salva, e na Bíblia, a Palavra de Deus, Ele diz quando é esta hora: "Eis agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação" (2 Coríntios 6:2).

Em nenhuma parte da Bíblia você encontrará que o momento certo para alguém ser salvo é depois, amanhã ou ainda no leito de morte.

Lembre-se o tempo se abrevia, e o conselho Bíblico é: "Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece" (Tiago 4:14).

Deus salva todo aquele que verdadeiramente crê em Jesus Cristo.

AGORA é a hora da decisão: "Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo" (Atos 16:31).

Aceite agora mesmo a Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador pessoal e desfrute da promessa de Deus: "O Senhor te guardará de todo mal: Ele guardará a tua alma. O Senhor guardará a tua entrada e a tua saída, desde agora e para sempre" (Salmo 121:7-8).

Se aceitou Jesus, freqüente uma igreja evangélica mais próxima de sua casa, Deus lhe abençoe.

sexta-feira, maio 14, 2010

Bons Relacionamentos

“O homem honesto é cauteloso em suas amizades, mas o caminho dos ímpios os leva a perder-se” Provérbios 12:26

Nós se tornamos iguais aos nossos amigos com quem passamos tempo. Precisamos ter cuidado em escolher nossos relacionamentos. Devemos nos perguntar: “É com esse tipo de pessoa que quero me parecer?”. Se não for, devemos pedir pra Deus para nos ajudar a ficar livres desse relacionamento e trazer alguém melhor para a nossa vida.

A principal qualidade que devemos buscar em um amigo não é o quanto ele é atraente, rico, esperto, talentoso, inteligente ou popular. Mas tem que ver o quanto ele ama e teme a Deus.

Deus não quer que entremos em “jugo desigual” com os descrentes (2Cor 6.14). Não significa que não devemos ter nada a ver com as pessoas que não o conhecem, precisamos estar no meio para trazê-los para Cristo. Mas significa que os relacionamentos que mais nos influenciam precisam ser pessoas que amam e temem a Deus.

Para saber reconhecer um amigo precioso, siga os sete sinais:

1. Um amigo precioso lhe fala a verdade com amor. Provérbios 27.6 Quem fere por amor mostra lealdade, mas o inimigo multiplica beijos
2. Um amigo precioso lhe dá um bom conselho. Provérbios 27.9 Como o óleo e o perfume alegram o coração, assim, o amigo encontra doçura no conselho cordial.
3. Um amigo precioso ajuda você se tornar uma pessoa melhor. Provérbios 27.17 Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo.
4. Um amigo precioso ajuda você se tornar uma pessoa mais sábia. Provérbios 13.20 Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau.
5. Um amigo precioso fica perto de você, mesmo nos momentos difíceis. Provérbios 18.24 O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há amigo mais chegado do que um irmão.
6. Um amigo preciso ama você mesmo quando você comete erros. Provérbios 17.17 O amigo ama sempre e na desgraça ele se torna um irmão.
7. Um amigo preciso ajuda quando você está tendo problemas na vida, para que você não tenha que passar por isso sozinho. Eclesiastes 4.9-10 É melhor haver dois do que um, porque duas pessoas trabalhando juntas podem ganhar muito mais. 10 Se uma delas cai, a outra a ajuda a se levantar. Mas, se alguém está sozinho e cai, fica em má situação porque não tem ninguém que o ajude a se levantar.

Se você tem amigos com as qualidades mencionadas, preserve-as com a oração. Mas se você tem amigos que não entram na lista, pergunte pra Deus se Ele quer que você passe o tempo com essas pessoas ou não. Se não for da vontade dEle, peça-o que tire essas amizades de sua vida e que Ele traga amizades que sejam melhores.

Agora que vimos os sete sinais do amigo desejável, vemos os sete sinais de um amigo indesejável:

1. Um amigo indesejável não teme a Deus e não se importa se machuca os outros. 1 Coríntios 5.11 O que eu digo é que vocês não devem ter nada a ver com ninguém que se diz irmão na fé, mas é imoral, ou avarento, ou adora ídolos, ou é bêbado, ou difamador, ou ladrão. Com gente assim vocês não devem nem comer uma refeição.
2. Um amigo indesejável nunca muda e é instável, e você nunca sabe como ele agirá de um dia para outro. Provérbios 24.21-22 Teme ao Senhor, filho meu, e ao rei e não te associes com os revoltosos. 22 Porque de repente levantará a sua perdição, e a ruína que virá daqueles dois, quem a conhecerá?
3. Um amigo indesejável frequentemente se irrita com alguma coisa. Provérbios 22.24-25 Não te associes com o iracundo, nem andes com o homem colérico, 25 para que não aprendas as suas veredas e, assim, enlaces a tua alma.
4. Um amigo indesejável é aquele que lhe dá um conselho mal que não agrada a Deus. Salmos 1.1 Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
5. Um amigo indesejável é um incrédulo que não obedece à lei. 2 Cor 6.14-1514 Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? 15 Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?
6. Um amigo indesejável faz besteiras; um tolo faz coisas sem pensar em quais serão as conseqüências. Provérbios 13.20 Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau.
7. Um amigo indesejável não tem reverência a Deus e as suas leis. Salmos 119.63 Eu sou amigo de todos os que te temem, de todos os que obedecem às tuas leis.

Precisamos de amigos e pessoas que nos digam quando estamos saindo da linha. Somos o corpo de Cristo cada um deve ajudar os outros.

O seu inimigo não quer que você faça parte de uma família espiritual nem tenha relacionamentos tementes a Deus. Ele sabe o quanto isso podes ser benéfico para você. Ele sabe que sem uma família espiritual, você não crescerá de maneira adequada.

Não faça com que os seus relacionamentos apareçam a força, ore pra que eles aconteçam. Pessoas tementes a Deus irão ajudá-lo a seguir na direção certa. A qualidade de seus relacionamentos determinará a qualidade de sua vida.



*Adaptado por Ariel S. Wittmann do livro “O poder do Adolescente que Ora – Stormie Omartian”

terça-feira, maio 11, 2010

O coração de Jesus

Algumas perguntas perturbam o homem há muito tempo:
Quem sou?
De onde vim?
Para onde vou?

São perguntas que levam ao mais profundo pensamento. Movem desde cientistas, intelectuais e até a pessoa mais simples.

Ao encontrarmos Jesus estas perguntas milagrosamente se calam em nossa consciência, e passamos a ter um sentido para vida: viver para Cristo.
Somos um povo escolhido por Deus para O adorar em espírito e em verdade.
Saímos das trevas do pecado, da falta de conhecimento de Deus.
E estamos indo para onde?
Com certeza para o céu, mas o que devemos aprender e praticar aqui até chegarmos lá?
Sabemos que lá teremos as bodas do cordeiro, e que somos a Sua Igreja e sua noiva, mas como devemos nos preparar?
Estas últimas perguntas dizem respeito a um relacionamento. Uma noiva deve conhecer bem o seu marido, e Ele deve se deixar conhecer por sua esposa.
No nosso caso Jesus nos conhece mais do que nós mesmos, mas nós conhecemos bem a Jesus?
A plenitude deste conhecimento será nos céus, todavia devemos agradá-lo hoje, e para isso precisamos saber o que ele deseja de nós.
A Bíblia trata todo o tempo sobre o relacionamento de Deus com o homem. Este começou muito bem, pois Deus tinha comunhão face a face com Adão.

Deus chamou Adão para dar nomes aos seres:
Ge 2:19 Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todos os animais do campo e todas as aves dos céus, trouxe-os ao homem, para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a todos os seres viventes, esse seria o nome deles.

Deus andava pelo Éden, acredita-se que todo final de dia:
Ge 3: 8 Quando ouviram a voz do SENHOR Deus, que andava no jardim pela viração do dia, esconderam-se da presença do SENHOR Deus, o homem e sua mulher, por entre as árvores do jardim.

Contudo, quando a morte entrou na terra pelo pecado de Adão, este relacionamento direto passou a ser limitado. Adão e Eva foram expulsos do Éden, e era esta a morte previamente alertada por Deus: A morte espiritual. Deus, por ser Santo, não poderia mais se relacionar com homem pecador no mesmo nível que vinha fazendo. A partir daí o relacionamento de Deus com o homem foi sofrendo gradual diminuição.
Deus falava com Caim e Abel, e isso pode ser visto quando Ele mesmo avisa Caim:

Ge 4:6 Então, lhe disse o SENHOR: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? 7 Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.

Deus avisou Caim, porém ele deliberadamente assassinou seu irmão. Vemos aqui o resultado do pecado, e como a nossa natureza começou a degenerar-se trazendo a morte física como resultado, tanto no primeiro assassinato quanto na degeneração genética. Isso pode ser confirmado, pois naquela época o homem vivia em torno de 900 anos.
Nesta época a comunhão com Deus ainda era grande, e podemos usar com o exemplo Enoque que foi arrebatado para Deus.
Gênesis 5:24 Ele viveu sempre em comunhão com Deus e um dia desapareceu, pois Deus o levou.
As condições de um bom relacionamento ainda existiam, mas o homem foi se distanciando e proporcionalmente o crescimento da maldade, até que Deus resolveu por fim a este ciclo:

Gênesis 6:3 Então, disse o SENHOR: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos. 5 Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração; 6 então, se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração. 7 Disse o SENHOR: Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito.

O dilúvio exterminou a maldade que tinha se alastrado na Terra, e Deus chamou Noé para um relacionamento íntimo com Ele. Mesmo assim a degeneração continuou, pois não era externa e sim no coração do homem. A Palavra de Deus nos faz entender que ainda assim Deus buscava quem tivesse o desejo de compreendê-lo:

Sl 14: 2 O SENHOR olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. 3 Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um.

Aqui podemos entender Deus buscando o homem através da reconciliação, mas o homem se afastando por causa do pecado. São movimentos contrários, mas Deus não desistiu de nós, Ele procurou uma maneira de trazer o homem para próximo de Si.

Obs.: Sabemos que Deus é onisciente e nada o surpreende, mas a minha intenção e mostrar o coração de Deus. Podemos usar como exemplo o choro de Jesus por Lázaro, Ele sabia que o seu amigo ressuscitaria, mas mesmo assim se entristeceu por sua morte. Ele não fica alheio ao que nos acontece, apesar de não estar preso às circunstâncias.

Nesta busca pela reconciliação, Deus na sua onipotência e visando um plano melhor, inicia uma jornada que pode parecer impossível: decide através de um povo, manifestar a salvação para a humanidade. Ele escolhe a Abraão, iniciando um novo relacionamento com o homem e o chama agora de amigo. Antes o homem possuía uma intimidade com Deus, mas por causa do pecado teve de ser separado, e agora tem a chance de se tornar amigo. Como exemplo deste relacionamento, Abraão podia ver Deus face a face e não morrer, por isso Deus o visitava pessoalmente:

Ge 17:1 Quando atingiu Abrão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o SENHOR e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito.

Deus já demonstra claramente o que devemos fazer: andar na presença dEle e sermos perfeitos. Esta perfeição exigida é pela fé, dom de Deus, conforme está em Hebreus 11.
Por outro lado, na continuidade da história, o relacionamento com Deus permaneceu decaindo. Se levarmos em consideração o fato de que Moisés não pôde ver a Deus totalmente, apesar de também ser chamado de amigo, constataremos esta “decadência”:

Êx 33:11 E falava o SENHOR a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo; depois, tornava ao arraial; mas o moço Josué, filho de Num, seu servidor, nunca se apartava do meio da tenda.
Ex 33:18-23 Então, ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória.19 Respondeu-lhe: Farei passar toda a minha bondade diante de ti e te proclamarei o nome do SENHOR; terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem eu me compadecer. 20 E acrescentou: Não me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá. 21 Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a mim; e tu estarás sobre a penha.22 Quando passar a minha glória, eu te porei numa fenda da penha e com a mão te cobrirei, até que eu tenha passado.23 Depois, em tirando eu a mão, tu me verás pelas costas; mas a minha face não se verá.

O desejo de Deus sempre foi de se aproximar, mas o homem encontrava-se afastado. Mesmo com a lei deixada por Moisés o relacionamento foi diminuindo de maneira que Deus apenas aparecia no tabernáculo, depois somente uma nuvem no templo, mais um pouco o templo foi destruído, e em seguida exclusivamente os profetas tinham um relacionamento por visão e palavras, finalmente o afastamento atingiu o seu ápice nos 400 anos de aparente silêncio profético.
É neste verdadeiro desespero de separação que surge a intervenção divina mais perfeita, creio que se ficássemos mais um momento sequer sem Deus, no mínimo o planeta racharia ao meio. A isso Deus chama de plenitude dos tempos, a plenitude da separação, o momento chave da vinda de Jesus. A Vida deveria encarnar para acabar de uma vez por todas com toda esta separação.

Jesus veio para unir, para restabelecer a comunhão perdida, mostrar o caminho perdido, veio juntar novamente a criação ao seu Criador, pagar o preço do resgate, trazer a santidade ao homem, para que Deus pudesse estar de volta no meio dele, e principalmente em seu coração.

Jesus é o nosso alvo, ele é o nosso modelo e por isso, é essencial que nos espelhemos nele, e Deus quer que façamos isso verdadeiramente:
1 Coríntios 2: 14-16 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo.

Antes era impossível ao homem ter acesso à mente de Cristo, mas agora com a obra da Cruz e o Espírito Santo de Deus, é possível alcançar a revelação verdadeira através da Palavra de Deus, por meio da Sua grande misericórdia e graça.

Qual é a função da palavra?
A palavra é a maneira mais profunda de exposição da alma e do espírito. Os sentidos (olfato, paladar, tato, visão e audição) dão informações para a alma (quente ou frio, doce ou azedo, claro ou escuro), mas a palavra tem o poder de revelar o interior (o pensamento, a vontade, o sentimento e a consciência).

Jesus é o Verbo, é a idéia, o pensamento e obra de Deus, o unigênito do Pai, o primogênito dentre os mortos, a Palavra que descreve o coração de Deus. Ele é tudo em todos e por isso devemos estudar sua consciência e seu coração, através da Bíblia. Poderíamos encontrar em outro lugar?

Você acha que Jesus leu a Palavra de Deus?
É claro!
O que Ele leu?
O que o levou ao desfrutar da presença do Pai enquanto estava entre os homens?
Obviamente o Espírito Santo estava com Ele, mas ele também estudou a Palavra.

Com certeza Jesus experimentou da Palavra de Deus e da comunhão plena com o Espírito Santo. Ele enxergou a si mesmo, na palavra do Pai, desenhada ao longo dos séculos, tão detalhadamente.
Vamos tentar experimentar, com Ele este caminho através do estudo da Palavra de Deus, buscando pelo Espírito Santo a revelação das verdades espirituais que revelam a intimidade do coração de Jesus.
Como sabemos, Jesus foi criado antes da fundação do universo. Não é o nosso objetivo provar isto, mas podemos buscar na Palavra de Deus, versículos que confirmam esta verdade:
João 1.1-3: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”.

A pré-existência de Jesus e toda Sua Majestade, não nos foram reveladas, na verdade, ela foi guardada, escondida de nós.

Gênesis 3:24 E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida.

Os querubins juntos com uma espada guardavam o caminho da árvore da vida. Esta árvore simboliza Jesus Cristo conforme Apocalipse:

Apocalipse 22:14 Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas.

Jesus afirmou ser a vida:
João 11:25 Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá;
João 14:6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.
João 5:26 Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo.

Portanto, sendo Jesus a vida, nada poderia ter vida antes dele, exceto o Pai. Como fomos impedidos de ter acesso a sua vida por causa do nosso pecado, não tínhamos a revelação desta vida. Digo tínhamos, porque a Vida, isto é, Jesus, veio em carne e pagou o preço do nosso pecado. Tornou-se ele mesmo o caminho aberto até a vida. Entendamos o que é óbvio, somente a Vida poderia vencer a morte, por isso somente Jesus poderia vir e vencer o pecado.
Conforme lemos em Apocalipse, se entendermos este sacrifício pelo nosso pecado e lançarmos mão do sangue do Cordeiro, o que estava ocultado por causa do nosso pecado, agora nos é revelado por causa da nossa justificação. Podemos entrar pelas portas da cidade e termos direito à Árvore da Vida.
Como chegamos a isso?
Pela fé:

Efésios 3:8-12: “A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor, pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele”.

Quer saber as insondáveis riquezas de Cristo?
Primeiramente, são insondáveis. Não no sentido que não possam ser conhecidas, mas que são tão profundas a ponto de não podermos achar o seu pleno conhecimento. Por isso não podemos limitá-las por meio de regras, culturas, religiosidades, pré-conceitos ou algo parecido, pois lemos que agora existe uma dispensação do mistério.

Que mistério é este?
O eterno propósito que Deus estabeleceu em Cristo Jesus. Veja: Eterno propósito! Algo imaginado, planejado, constituído na eternidade, por Deus Pai, e que agora foi liberado. O acesso pode ser alcançado pela FÉ. Não uma fé pequena, mas a fé que nos leva mais próximo do nosso Pai Criador e, a entendermos o seu coração, o seu propósito eterno em Cristo Jesus.

O mistério é: Temos de chegar à estatura de Cristo.

Esta é a nossa razão de ser e viver. Não há outro propósito!
Mas, qual é o caminho?
Na verdade já o conhecemos, comece ou recomece com os primeiros passos: buscar a Deus de todo o teu coração, em oração, pelo estudo da sua palavra, em louvor e adoração, em obediência a ela.
Para termos a mente de Cristo, devemos conhecê-la, estudá-la, praticá-la.
As informações que precisamos estão na nossa mesa de cabeceira: a Bíblia Sagrada.

Comecemos esta viagem ao coração de Jesus